COLUNA NEUBER SOARES - CLUB SPORTS | O SEU CANAL DE ESPORTES

Breaking

COLUNA NEUBER SOARES


NEUBER SOARES: Salve, salve, Torcida Celeste.

O CRUZEIRO está prestes a fazer sua primeira partida pelo Brasileirão versão 2018. O mais futebolística quase paralela, pois sempre que uma equipe avança em títulos por uma competição, a outra acompanha, e vice- versa. Já sabem que estou falando do Grêmio de Futebol Porto-alegrense. Não é novidade alguma.

AMBOS ACABAM de conquistar o 37º título estadual, são pentacampeões da Copa do Brasil...

Para a vida paralela permanecer o Cruzeiro precisa recuperar sua situação e conquistar a Libertadores deste ano e buscar o título mundial, pois já bateu na trave duas vezes e este é praticamente senão o único, pelo menos um dos únicos troféus que lhe falta em suas prateleiras.

AS IGUALDADES terminam também quando se compara o desempenho de ambos como adversários em nosso maior torneio, o Campeonato Brasileiro. Mineiros e Gaúchos se enfrentaram 53 vezes, sendo a primeira no augusto e glorioso ano de 1966, como conquistamos o primeiro título de âmbito nacional, brasileiro, nosso e de uma equipe mineira.

DERROTAMOS duas vezes, nada mais, nada menos, do que o bicampeão mundial Santos Futebol Clube, com Gilmar, Carlos Alberto, Edu, Pepe, Pelé e Cia Ltda. Aqui, no recém- inaugurado Estádio Governador Magalhães Pinto, então denominado Mineirão, com direito ao elástico placar de 6 a 2, sendo que cinco desses gols foram assinalados já no primeiro tempo.

A VITÓRIA DEFINITIVA  se deu nos domínios dos adversários, de virada, revertendo o placar adverso de 2 a 0, com direito a perda de uma penal por um dos nosso maiores craques, Eduardo Gonçalves Andrade, mais conhecido como Tostão, ou simplesmente “Tusta”, para a emergente torcida azul-estrelada. Bem os detalhes dessa conquista ficam para outra dia.

VOLTANDO À VACA FRIA: empatamos sem abertura do placar em Porto Alegre e vencemos por 2 a 1 na Toca da Raposa 3. O Esquadrão Azul-Estrelado soma 33 vitórias, contra 22 derrotas e 19 empates com o tricolor gaúcho. Marcou 94 e sofreu 73, tendo um saldo favorável de 21 gols.

NOS 35 CONFRONTOS em terras mineiras nossa vantagem cresce assustadoramente: 25 vitórias, contra 5 derrotas e 5 empates. Melhor ainda foram os confrontos na Toca 3: 15 vitórias, quatro empates e apenas uma derrota nos 20 confrontos. (Dados da Assessoria de Imprensa do Cruzeiro).

É COM ESTE quadro totalmente favorável que o time de Mano Menezes recebe novamente o tricolor gaúcho. Ambas as equipes vêm das comemorações do recente título estadual. O

Cruzeiro sobre seu maior Rival, o Mineiro de Vespasiano, e o Grêmio sobre o Brasil de Pelotas, já que o Internacional não teve competência para conquistar a vaga para a finalíssima do Gauchão.

ELES TIVERAM mais facilidade, pois garantiram o título praticamente no primeiro jogo, em casa, saindo apenas para sacramentar a conquista, novamente com facilidade, pois os adversários se mostraram apenas esforçados e contentes com o título de vice estadual e campeão do interior.

DE QUALQUER forma, a equipe de Renato Portalup (que não quer mais ser chamado de Gaúcho) se mostra bem treinada e pode tornar a busca da primeira vitória no Brasileirão uma tarefa trabalhosa para o Esquadrão Azul-Estrelado mais glorioso do Mundo. De toda forma: dá- lhe, Zeiiiiiiirôôôôôôôôô...!!!

ATÉ A PRÓXIMA!

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Neuber Soares: SALVE, salve, Torcida Azul-Estrelada. Ouvi tanta coisa a respeito dos chamados lances polêmicos do clássico que não resisti e vi-me obrigado a tecer alguns comentários, em respeito à verdade dos fatos. Considerado pelos comentaristas de arbitragem como lance decisivo para a vitória do Cruzeiro e a consequente conquista do título estadual de 2018, a expulsão de Otero aconteceu tardiamente.

ELE SÓ não foi expulso pela benevolência do árbitro Luiz Flávio de Oliveira, irmão daquele outro que também não gosta do Cruzeiro. Sem que nem pra que, ele deu um tapa na cara do Edílson num bolinho de jogadores. Ficou barato para ele que o soprador-de- latinha tenha feito vistas grossas. Não só ele com todos os outros que ali estavam justamente para auxiliá-lo com esse objetivo.

PASSOU EM brancas nuvens e ele continuou simulando faltas, principalmente em jogadas envolvendo Edílson e continuou perdoado pelo soprador-de- latinha, até que, novamente em disputa com nosso lateral, aconteceu o lance fatídico. Edílson dá um bicudo na bola para o campo dos adversários e demora em baixar a perna. O polêmico jogador do outro time não fo atingido em momento algum, caracterizando jogada para cartão amarelo. SÓ QUE NOSSO lateral acabou agredido com uma cotovelada no rosto, este, sim, lance passível de vermelho, como acabou acontecendo. Não havia mais condições de ser beneficiado com “habeas corpus” pelo soprador, uma vez que acabaria por perder o resto de controle do jogo.

PUNIA COM exemplar competência nossos jogadores e permitia, com extrema benevolência, que os visitantes simulassem penais (Ricardo Oliveira e Luan), cometessem faltas mais bruscas, como Erik, que entrou maldosamente em Fábio, atingindo-o com chute embaixo e cotovelada no pescoço. Era outro que não poderia terminar o jogo, mas o vermelho já fora usado uma vez no primeiro tempo e quase ao final do segundo, contra Patric.

PATRIC, JÁ amarelado, cometeu pelo menos outras duas faltas passíveis de cartão amarelo, mas só foi punido na terceira falta brusca, recebendo o segundo amarelo, seguido do vermelho. Apesar de tudo isso o aprendiz de treinador de Vespasiano tentou explicar que a expulsão de Otero foi fundamental para a derrota.

LARGHI, sabe o que foi fundamental para a derrota de seu time, o fato de vocês pensarem que o título já estava decidido com a vitória no Casco de Tartaruga do Horto? Não souberam administrar a vantagem conseguida e aquele gol de Arrascaeta na primeira partida manteve o Cruzeirão Kabuloso na disputa. Ontem, não! O Cruzeiro partiu para o jogo e vocês apostaram em um lance de contra-ataque. Sem contar o antijogo e a catimba, além da arrogância. 

PARA NÃO passar barato, deixo aqui uma observação para o Seis-mais- um Câmara: cadê  patinho feio, protegido da FMFranga? Não se esqueça de que seu time conseguiu a classificação com erros (?) grotescos dos sopradores em três partidas consecutivas. Se tem alguém que pode, agora, comemorar alguma coisa pelo aniversário, este é nosso presidente, Wagner Pires. Parabéns, presida...