Bases comunitárias da Polícia Militar começam a funcionar nesta segunda-feira em Belo Horizonte - CLUB SPORTS | O SEU CANAL DE ESPORTES


 

Breaking

 ASSISTIR AGORA!

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Bases comunitárias da Polícia Militar começam a funcionar nesta segunda-feira em Belo Horizonte


As 86 bases comunitárias da Polícia Militar começaram a funcionar em toda a Belo Horizonte nesta segunda-feira. A atuação setorizada da polícia, que integra o projeto Segurança Comunitária, é a mais nova estratégia da instituição para combater os índices de criminalidade na cidade.

Em evento para a entrega das bases pela manhã, o governador Fernando Pimentel afirmou que esse modelo já foi testado e, agora, será levado a todos as regiões de Belo Horizonte pela Polícia Militar.

“Nós não estamos aqui inventando a pólvora. Esse modelo já conhecia desde que fui prefeito. Agora nós já sabemos que esse modelo funciona e temos certeza que os índices de criminalidade vão diminuir ainda mais em Belo Horizonte”, afirmou.

Projeto

O Segurança Comunitária prevê a divisão da capital mineira em 86 territórios, onde foram instaladas as bases comunitárias, constituídas por uma van equipada com câmeras de videomonitoramento, rádios digitais e equipamentos de segurança, além de duas motos. Quatro policiais ficarão de plantão. Os veículos foram instalados em locais de visibilidade, maior incidência criminal e grande circulação de pessoas.

Essas bases vão funcionar todos os dias das 14h as 23h30 - horário que segundo a PM se concentra a maioria dos crimes na capital. De acordo com a divisão proposta pelo projeto, a cada 4km haverá uma base móvel da PM.

Para o comandante-geral da Polícia Militar de Minas Gerais, coronel Helbert Figueiró de Lourdes, as bases móveis, além de atender à população no registro de ocorrências e pesquisas nos sistemas informatizados, também vai melhorar a prevenção nos mais diversos pontos da cidade.

“As bases têm acesso às câmeras do Olho Vivo na região onde elas estão presentes. Por esse monitoramento interno, há condições de acionar, via rádio, o militar que está fazendo patrulhamento para que ele cheque aquela situação de suspeição, gerando potencial preventivo para a cidade”, explicou o comandante-geral.